Páginas

domingo, 25 de outubro de 2015

Momento Musical #11 - Augustos Pablo, The Slits, The Underground Youth, Bill Evans


Nessa edição do Momento Musical de hoje, decidi apresentar coisas que nem eu conheço direito ainda, mas tive excelentes primeiras impressões, e, pra dar uma variada, um dos meus músicos de jazz favoritos. Sem mais delongas:

Augustos Pablo - King Tubby Meets Rockers Uptown (1976)


Nunca fui muito de reggae e nem sei o que é dub - salvo que é meio que um precursor dos remixes da música eletrônica, que em si é uma coisa que não me agrada. Ouvi falar desse disco, decidi dar uma chance, e é muito melhor do que eu imaginava. Um estilo bem interessante. A música é quase toda instrumental e é ótima pra quando se quer apenas passar uma tarde relaxando. Que eu saiba, Augustos Pablo foi um dos maiores nomes do reggae da Jamaica e King Tubby, que produziu o disco em parceria, praticamente o inventor do dub. Esse disco, dizem, é a representação resumida do gênero.

The Slits - Cut (1979)


Depois que o punk deu errado (basicamente virando mais música comercial), surgiram grupos tentando reviver o espírito do gênero de maneira mais original. O crítico Lester Bangs incluiu essa banda como uma das poucas do fim da década de 70 que demonstravam algum sinal de novidade, dizendo que finalmente era hora do rock deixar as mulheres comandarem, já que elas eram as únicas interessadas em fazer algo que preste (Lydia Lunch e Au Pairs foram citadas ao mesmo tempo). Não faço ideia da história dessa banda, se estão na ativa, se gravaram outros discos. Só sei que esse é o único disponível e que gostei muito do que ouvi.

The Underground Youth - Mademoiselle (2010)


Descoberta em uma peregrinação pelos vídeos relacionados do youtube, eu não sei absolutamente nada sobre os músicos por trás dessa pérola. Cliquei pela capa - Anna Karina, vocês que leem o blog sabem que ela pode muito bem ser minha atriz favorita -, fiquei pela música. Tem esse jeito "vocal apático" com ritmo meio bossa nova psicodélica que certo grupo de bandas parece estar adotando. Se esse é o caminho que as bandas novas decidiram trilhar, que assim seja.

Bill Evans - Portrait in Jazz (1960)


O pianista mais influente do jazz, talvez empatado com o McCoy Tyner. Esse disco é especial pra mim e está entre os grandes clássicos do gênero. Um ano antes, Bill Evans foi o pianista de Miles Davis durante a gravação de Kind of Blue (se você sabe um mínimo da história do jazz, sabe o quão foda é esse disco, se você não sabe, o incluirei no próximo momento musical). Isso já significa muita coisa. Ele mudou a maneira como se tocava piano e essa formação do seu trio é considerada por muitos, eu incluso, o melhor trio da história do jazz. Pronto. Se isso não basta pra você clicar no vídeo, nada vai te convencer. Clica lá, porra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade