Páginas

sábado, 22 de junho de 2013

Rory Gallagher - Deuce (1971)


Rory Gallagher é o grande guitarrista esquecido do rock. É tão raro ver seu nome entre as listas das grandes lendas, mesmo ele tendo sido um dos músicos mais competentes e carismáticos do rock, além de ter posto a Irlanda no mapa. Morreu cedo demais, como tantos outros, depois de uma infecção hospitalar, causada por uma operação no figado, necessária depois dos tantos anos de bebedeira - bebedeira, não alcoolismo, irlandeses nunca se tornam alcoólatras.  Deuce é seu segundo álbum solo, após ter deixado a outra grande banda esquecida, Taste. Não muito bem recebido no seu ano de lançamento, hoje ganhou o status de cult, e isso é mais do que justo.

Era ao vivo que Rory Gallagher realente brilhava, afinal era o que ele amava fazer. Sendo assim, ele passou uma boa parcela de sua carreira tentando emular a energia das apresentações ao vivo em seus discos de estúdio. Deuce foi uma dessas tentativas. Para isso, ele iniciava as sessões de gravação sempre antes ou depois  de um show, para tentar tocar de uma forma em que a intensidade fosse transferida. Talvez nem seja possível fazer uma coisa dessas, mas foi uma excelente tentativa e deixou bem claro o quanto ele levava seu trabalho a sério - coisa cada vez mais rara na música.

As faixas são todas boas, com destaque para Used to Be, Maybe I Will, In Your Town e Should've Learned My Lesson. Os ritmos variam entre o rock típico da década de 70, somado ao blues, jazz e música tradicional irlandesa; essa mistura tão simples e enraizada é que tornava a música dele diferente das outras milhares de bandas de rock da época - talvez esse fosse o motivo do insucesso desse disco.

Rory Gallagher é um desses artistas obrigatórios para os fãs de rock e blues, e, se você é mais jovem e nunca ouviu falar dele, dê uma chance. Esse não é, realmente, o melhor trabalho dele, mas está longe de ser o pior, já que, na minha opinião, a qualidade das gravações de estúdio (porque ao vivo ele é infalível) decaiu muito durante a década de 80 - mas isso aconteceu com todo mundo. Um disco subestimado e que deveria ser relembrado nos dias de hoje.

Nota: 4/5








7 comentários:

  1. Deve ser esquecido mesmo, pois eu não o conhecia. kkkkk
    Vi as músicas que deixou aqui e gostei bastante, muito gostosa de escutar.
    Eu gosto muito de rock, gosto de vários tipos de músicas, só não gosto de samba, pagode, sertanejo, funk... entre outros. kkkkk
    Mas gostei de conhecer esse cara. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Praticamente esquecido, infelizmente. Isso porque ele tem uma discografia extensa, vivia tocando ao vivo, nem dá pra entender porque as pessoas esqueceram dele.

      Excluir
    2. Rory mesmo em seus melhores tempos não teve divulgação no Brasil. Isso explica porque hoje é desconhecido aqui.
      Mas na está esquecido na Europa e EUA. A família dele inclusive mantém o site oficial dele. Por sinal excelente. Tem até uma tirinha logo na primeira página de tipo uma rádio web com comandos "play", "pause", "pular faixa", etc... onde tocam aleatoriamente todas as músicas de Rory.

      http://www.rorygallagher.com/

      Excluir
  2. Oi! Adorei o blog. Seguindo!

    Isa
    http://www.verbosdiversos.com/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Lá pra 1972 a então TV Globo lançou um programa de clipes de rock. Na real os clipes eram extratos de filmagens de apresentações ao vivo lá fora. Brasil, nem pensar naqueles tempos.
    Era o "Sábado Som", todo fim de tarde de sábado e como naquela época este programa e conteúdo era pioneiro e único lembro da galera saindo mais cedo da praia pra não perder.
    Passava Deep Purple, Yes, Zeppelin, Who e, pra mim pelo menos, um fantástico guitarrista, "um tal de Rory Gallagher aê...".
    Foi adoração à primeira vista. Por tudo que a matéria aqui traz.
    E sofria pra ter ou ouvir algo do cara pois os discos (o LP, hj mais conhecido como vinil) eram importados e caríssimos pra um adolescente.
    Décadas depois pude finalmente ter acesso a sua obra. Já são 12 CDs e muito infelizmente nenhum vinil de Rory, este gênio da guitarra cultuado até mesmo por ninguém mais ninguém menos que Jimi Hendrix!

    ResponderExcluir

caixa do afeto e da hostilidade