Páginas

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Tag: Versatile Blogger

Antes de começar, só vou dedicar umas linhas para falar da morte de Gabriel García Márquez. Pra quem não ouviu ainda, ele morreu hoje. Admito que não conheci ainda a obra dele, mas reconheço a importância que ele teve como representante da literatura latino-americana. Ele foi um dos se não o maior nome do período conhecido como boom da literatura latina com o seu realismo fantástico. Toda morte gera luto, mas com ele, assim como com todos que têm a chance de viver tanto quanto ele viveu, é diferente. Não é um luto de tristeza, propriamente dita, até porque ele já é imortal e a morte física depois de um determinado tempo se torna um alívio, mas um luto pelo vazio que ele deixa com sua ausência. Nunca fui religioso, então ao invés de desejar idas a lugares melhores, vou apenas expressar minha gratidão pela obra que ele deixou e que permanecerá indefinidamente após o fim de sua vida, e o fim da minha vida e a de todos nós, pois, enquanto houver literatura, haverá Gabriel García Márquez.
***


Chega disso, vamos ao post. É raríssimo que eu faça essas tags. Não é bem por não gostar, só acho que são perda de tempo. Essa, no entanto, me deu vontade de fazer porque faz tempo que quero fazer posts sobre certas coisas que gosto e quero indicar, e a tag fará que eu mate vários desses coelhos com uma cajadada.

As regras são:
- Agradecer quem indicou - então agradeço à Rafaela do blog odinist-a.blogspot.com.br, caso você não conheça, ela é uma das melhores poetisas desse mundo de blogs, que vale muito a pena conhecer. Se você não a segue ainda, faça agora - e eu só faço propaganda de quem merece nessa porra. Vou até ressaltar que essa é uma tag que eu já tinha visto e não gostava porque todos sempre respondiam da mesma forma. Ela foi diferente e falou um pouco sobre coisas específicas que ela gosta, fazendo que eu conhece um músico e um pintor que antes eu não conhecia. É baseado nisso que eu monto meu post agora, na esperança de apresentar a vocês algumas coisas que eu gosto, mas talvez você não conheça. Obrigado mais uma vez, Rafaela.
- Escolher 15 blogs com menos de 200 seguidores para responder a tag. Não farei isso, me processe. É o seguinte, gostou da tag, nunca fez, quer fazer - faça e não me encha o saco.
- Escrever 7 coisas que eu goste, então lá vai.

1. Literatura Beat

Gosto de livros. Todos sabem disso. É por isso que essa merda desse blog existe. O que você pode não saber, é que eu gosto pra cacete de literatura beat. Caso você não saiba o que é, é um movimento literário boêmio surgido no fim da década de 40, começo de 50, que pegou figuras "marginais", alucinógenos, surrealismo, sacanagem e transformou em arte literária, quebrando muitas "regras" da época, gerando até alguns desafetos entre os autores e o governo dos EUA. Para conhecer melhor esse "movimento", sugiro começar por Jack Kerouac, muitos livros dele estão traduzidos e facilmente disponíveis no Brasil, sem falar que On The Road é um resumo básico do que foi a época. Depois, caso goste de poesia, experimente Allen Ginsberg, que pegou os versos livres de Walt Whitman, a loucura de André Breton e a iluminação de William Blake, e se tornou um dos meus poetas favoritos. Depois ainda tem William S. Burroughs, Gary Snyder, Gregory Corso, Michael McClure; inúmeros, infelizmente difíceis de achar por aqui, muitos sem tradução ainda.

2. Nouvelle Vague 

Também gosto de cinema. Mas entre as diferentes escolas, a que de fato me atirou na "cinefilia" foi a nouvelle vague (que só significa "nova onda") do cinema francês, em meados de 50 e 60. Muitos países tiveram suas novas ondas, baseadas no movimento francês, como o Irã (de onde nasceu Kiarostami) e o Brasil (com Glauber Rocha), mas dentre essas minha preferida é a francesa. Você pode procurar conhecer começando por Jean-Luc Godard, François Truffaut. Aos poucos vá avançando para Jacques Rivette, Eric Rohmer. Pesquise, a internet tá aí pra isso, não é só pornografia e vídeos de gato (muito embora tanto um quanto o outro tenha seu papel na sociedade).

3. Jazz

Quanto mais improvisado melhor. John Coltrane, Miles Davis, Bill Evans, Eric Dolphy, Thelonious Monk. É um estilo de música que me hipnotiza, não consigo ouvir e fazer outra coisa ao mesmo tempo.

4. Surrealismo

Desregrado, agressivo e caótico, esse é provavelmente meu estilo artístico favorito independente da forma de arte. Tem André Breton e Federico García Lorca na literatura, Magritte e Dalí na pintura, Buñuel e "Fellini" (entre aspas, porque depende da obra) no cinema. Isso só pra citar dois de cada.

5. Edward Hopper

Esse foi o pintor que fez com que eu me interessasse por pintura. Tem algo de melancólico no realismo relativamente simples dele. É tocante, só isso.

6. Mulheres

É isso. Elas são minha maior paixão há anos, o motivo pelo qual eu escrevo, o motivo pelo qual eu saio de casa. Minha maior fonte de inspiração.

7. Tom Waits

Acho que o músico não-erudito mais original ainda vivo. A voz dele parece a de alguém que gargarejou com vidro e óleo diesel, mas as letras são como uma poesia do cotidiano marginal, meio beat, meio Bukowski, com cheiro de tabaco e graduação alcoólica de 90%. Um dos meus favoritos.

Menção honrosa a Bob Dylan, expressionismo abstrato e o uísque. Infelizmente eram só sete coisas, então vocês ficaram de fora. 

Pra encerrar e vocês não dizerem que eu fiquei enrolando aqui, tomem um haicai deformado que eu escrevi agora pouco:

g    l
o    u
 t      t
  a     a
   s      n
            d
              o
para
      não
             escorregar
da janela
           e
           c
           a
           i
           r

4 comentários:

  1. Realmente é uma grande perda para a humanidade perdermos o Gabriel, mas ele nos deixou seus livros como herança. Dele, tive o prazer de ler "Cem anos de solidão" e tenho o desejo de ler "Memórias de minhas putas tristes".

    É a primeira vez que vejo você postando uma tag e que bom que você o fez, porque: 1. Me deu oportunidade de conhecer os poemas da Rafaela e através dela conheci outros blogs. Ela tem muito talento mesmo para escrever poesia.
    2. Também curto Jazz. Anotei os nomes citados. Já eu escuto para relaxar. É como se me desse uma paz de espírito.
    3. No campo da pintura, eu não entendo muito do assunto, mas gosto de conhecer coisas novas e apreciar. Klimt eu acho lindo. Essa pintura do Edward Hopper me atraiu e o que a Rafaela citou também, o Zdzisław Beksiński.

    Gostei do haicai. Quando você o escreveu estava chovendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não costumo gostar de tags, mas essa me pareceu uma ótima oportunidade por causa disso mesmo que você apontou.

      Enquanto eu escrevia não estava chovendo, mas a chuva é uma das imagens que eu mais gosto de inserir na poesia, então serviu de inspiração mesmo em tempo seco.

      Excluir
  2. Também não li nenhuma obra do escritor, mas o conhecia. :(

    Legal ver suas respostas, a parte das mulheres foi a melhor e me fez dar risada. kkkk
    Penso a mesma coisa sobre o jazz, quanto mais improvisado, melhor. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ia me sentir muito estranho citando sete coisas que eu gosto e esquecendo as mulheres - seria um sacrilégio da minha parte.
      E, sim, jazz sem loucura não é tão bom.

      Excluir

caixa do afeto e da hostilidade