Páginas

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

outro poema sem título



5.

A noite canta seus bravos hinos de fúria,
intermitentes, distantes, em domínio onipresente,
geram o medo branco sobre as cabeças de seus arrogantes hóspedes
que, em negação de seu estado, 
reclamam das lágrimas que os banham com força natural de gigante oprimido.
Poesia, 
grita o escuro céu iluminado com sua lua enevoada por nuvens como olho por catarata
esperando pelos que entendam seus dizeres.
Surge a pergunta,
seria tal bravura, então, o divino?
-

***

Sabe uma dessas coisas que você passa horas procurando. Cansa, para e, só então, vê que tá aí na tua cara. Essa é minha relação com meus poemas. Vivo prometendo que vou parar de fazer, aí surge um ou outro que não me causa tanta repulsa depois de relido. Tendo dito tudo isso, prometi que ia parar de escrever poemas no meu último post, dizendo que não me fazia bem, mas era mentira. Vou continuar, mas só postarei quando tiver certeza de que é sério.

3 comentários:

  1. Como assim não te faz bem? Seus poemas são ótimos! E sério, amanhã é meu último dia de aula, logo te mando as críticas do livro, e outra, me mande um e-mail falando das alterações. Como assim?!?!?

    ResponderExcluir
  2. Adorei seus poemas, são imprevisíveis como o jogar de tinta numa tela, sentimentos bem puros. Compartilho seu desespero das poesias fazer-nos mal, mas assim como você não consigo deixar de fazê-las, é como narrar minha vida em qualquer palavra. A pior parte é parar de rimar (sim, isso foi muito ruim na hora do vestibular). Embora seja o único vício que me orgulho de ter, não pretendo parar; e se você gosta, o que te impede de escrever afinal?
    //Odinista

    ResponderExcluir
  3. Raphael meu lindo, dom a gente não adquire, nascemos com ele. Cada um tem um dom e você sabe qual o seu, se ainda tem dúvidas reafirmo que é escrever.
    O escritor nada mais é que amante da arte que é escrever, e todo amor ou toda paixão tem o teor do sofrimento junto. Você sabe disso...
    Apenas prova o seu verdadeiro amor as poesias...

    Estou de férias e com tempo livre de sobra para ler e reler o que você quiser me mostrar ok! Manda teu whattApp para meu e-mail se quiser izabellamusa@hotmail.com.

    Beijão e não desista nunca!

    ResponderExcluir

caixa do afeto e da hostilidade