Páginas

terça-feira, 2 de abril de 2013

All About Anna (Tudo Sobre Anna) - Jessica Nilsson


Lembram do Lars von Trier? Aquele diretor, do qual eu já resenhei os filmes "Dançando no Escuro" e "Melancolia". Então, ele tem uma produtora chamada Zentropa. Está é responsável pelo lançamento de alguns filmes pornográficos, com o objetivo de atrair o público feminino para esse estilo de filme e melhorar a imagem geral da pornográfica no mundo cinematográfico. Isso mesmo, crianças, vocês leram corretamente, finalmente aconteceu, eu estou resenhando um pornô. Essa é para todas as minhas leitoras, que leram e amaram 50 Tons de Cinza - eu sei que você existem, só não comentam.

Bom, como vocês devem ter percebido, o filme é sobre Anna. Tudo sobre Anna, para ser mais exato. Ela é uma mulher moderna, independente, focada no trabalho e toda essa história tão comum no cinema voltado para o público feminino. Um dia, seu namorado que - adivinhem! - é o tal cara perfeito, sobre o qual vocês tanto falam, some em uma viagem de barco. Então ela arranja um outro cara e quase se casa com ele. Até que - adivinhem de novo! -, isso mesmo, o pica de ouro volta e faz com que a tão independente Anna se derreta novamente. Ela dá cabo no namoro, com a desculpa de que ele estava sendo muito intrusivo - por apagar da parede o número de telefone do cavaleiro do elmo roxo...falando em corno manso - e convida uma amiga para dividir o apartamento com ela. E Anna decide ir para Paris, para pensar no futuro, afinal ela não é tão idiota a ponto de esquecer que o rola mágica sumiu por vários anos, sem nem mandar notícia, por isso não o aceita de volta imediatamente. Lá ela explora sua sexualidade com outra mulher - afinal, mesmo sendo voltado para o público feminino, a maior parte do público serão homens, inevitavelmente - e depois ela volta. O que acontece depois? Ora, adivinhe de novo, porra!

Eu não sei porque eu tinha expectativas quanto a esse filme. Não muito altas, mas eu esperava que fosse, pelo menos, bom. Afinal a mão do Lars von Trier está presente, nem que seja só na conta bancária. Mas não, o filme não passa de um romance de banca, com cenas de sexo muito pouco interessantes e uma trilha sonora ridícula - sério, sabem aquela música típica de filme pornô da década de 80, com as guitarras e tudo mais, é bem assim. A história é bem óbvia, embora dê a entender que se trata de um grande drama, e não só mais um pornô.

É um filme que tenta tanto agradar dois públicos - os fãs de pornô e os cinéfilos - que acaba não agradando nenhum. Quer dizer, as atuações são bem acima da média, em se tratando de pornografia, mas não tanto a ponto de impressionar. O enredo é extremamente fraco e os diálogos não chamam a atenção. E, de novo, a maldita trilha sonora bota a perder toda a credibilidade que o filme poderia vir a ter, se este não fosse uma merda. As cenas de sexo são extremamente fracas e contidas, a ponto de nem parecerem reais na maioria das vezes - pelo menos as principais parecem softcore da década de 90. O único ponto positivo mesmo é a Gry Bay (Anna), que é uma atriz razoável e, ao mesmo tempo, muito bonita - só. 


All About Anna é um filme fraco. Melhor que a média do cinema pornográfico, mas não tanto. E muito abaixo da média do cinema "mainstream". Uma coisa que ele pode simbolizar é, talvez, o surgimento de mais filmes não pornográficos, mas com cenas de sexo não simuladas, como é o caso de Ken Park e, mais recentemente e também do Lars von Trier, Ninfomaníaca.

Nota: 1,5/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade