Páginas

sexta-feira, 8 de março de 2013

Inocência - Capítulo 5

Pois é, eu tinha decidido não postar mais nenhum capítulo, pra não expôr demais a história, eu sei. Acontece que eu vi um vídeo no youtube, era uma entrevista com o ganhador do Nobel de literatura, Orhan Pamuk. Em um momento, ele falou da importância da organização para quem escreve um romance e como ele costuma dividir a história toda em capítulos, resumindo o que ele quer que aconteça em cada um deles, antes de realmente começar a escrever. Achei isso genial e decidi pôr em prática; só que, ao invés de resumir, deu títulos aos capítulos - que mais tarde serão retirados -, que servem de guia para o que eu devo escrever sobre. Ajudou bastante; agora eu sei que a história deve render, no mínimo, 26 capítulos e, por isso, 5 não são nada.
Espero que gostem e comentem. Como sempre, o capítulo está na página do blog específica para o romance, que você pode encontrar logo acima, entre Início e Contato. Repito que o título do livro mudou; antes era Ilusões de Um Homem Justo, agora é Inocência - que eu achei muito melhor; agradeço ao Rafael, do Skoob, por me apontar que o título não estava bom. Outra mudança foi o nome do narrador. Já tinha dito que queria mudar, já que Emílio e Ernesto parece dupla sertaneja de segunda linha, mas ainda não tinha pensado em um nome. Agora foi, o nome passou a ser Tomas. Motivo? Ora, se antes era uma homenagem ao Hermann Hesse, nada mais justo que homenagear Thomas Mann, embora o personagem não tenha nenhuma característica dos personagens do Mann que eu li até o momento. Tomas era pra ser o nome do protagonista e narrador do segundo romance que estava escrevendo, mas interrompi quando decidi focar no Inocência. Agora o nome daquele personagem vai ser Raphael mesmo, é meu nome, mas que se foda; a história é quase real, então, nada mais justo.

Ainda hoje deve sair uma resenha, ou de Melancolia ou de Argo, depende de qual eu assistir primeiro. Mais provável que seja Melancolia, porque eu gosto mais do Lars Von Trier que do Ben Afleck.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade