Páginas

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Campanha para diminuir os impostos sobre livros

Então, meu povo, hoje eu venho com uma coisa um pouco diferente do normal por aqui. Recebi no skoob um pedido para divulgar uma dessas companhas que sempre rolam por aí, pedindo apoio para sugerir uma lei ao governo. Pois é, detesto essas coisas. Quer dizer, não que um certo ativismo não seja importante, mas o abaixo-assinado online é, definitivamente, a mais preguiçosa e inocente das iniciativas. Mas, antes isso do que nada, não é? Achei a proposta interessante, principalmente porque os livros deveriam, por lei, ser isentos de tributação, mas sabe como é o Brasil, né? Isenção não existe, tiram de um lado pra pegar do outro, são tudo uns filhos dumas putas. Se, pelo menos, um centavo dessa grana toda voltasse pro povo, talvez até valesse a pena pagar imposto, mas como só serve pra sustentar essa cambada de vagabundo, nada melhor que tirar alguma coisa deles. Não acho que isso vá levar a lugar nenhum, mas vai que cola? Seria bom ver uns livros mais baratos por aí.
 
Honestamente, minha campanha seria a de todos os brasileiros simplesmente não pagarem seus impostos por um ano. Um cara faz isso sozinho, vira mocinha na cadeia. Agora, todo mundo ao mesmo tempo, aí sim a coisa pega. Como ninguém concorda comigo, vamos ao velho abaixo-assinado, porque em Brasília tá faltando papel higiênico.
 
O processo é à prova de retardado, basta clicar no link abaixo, preencher os campos "nome" e "e-mail" - com informações verdadeiras, já que pra assinatura ser validada é necessário clicar no link de confirmação que é enviado para o seu e-mail ao final do processo - e clicar em "eu apoio".
 
 
Deem uma olhada nas outras propostas por lá, quem sabe vocês achem algo de interessante. Só gostaria de apontar que, até o momento, nenhuma das propostas recebem apoio o suficiente para ser levada para frente. São necessárias 20.000 pessoas apoiando e, até o momento, só temos 400 e poucas.
 
Assinem e divulguem essa porra por aí.

2 comentários:

  1. Raphael,

    Eu faço Direito, olha, até daria pra algo assim online dar certo, mas é uma complicação dos infernos, pois tem que ter a assinatura de todo mundo, titulo de eleitor, CPF, tem que ter uma porcentagem de eleitores e mais um monte de coisas. Estudei isso semestre passado.
    Isso dai é meio furada, as pessoas acham que é só ter assinaturas e boa, mas na realidade, iniciativa popular é muito mais complicada do que parece.. :)

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Eu sei que essas coisas não funcionam - na verdade eu dediquei boa parte do post para dizer o quanto eu detesto essas petições online -, mas decidi dar uma força de qualquer jeito. Vai que cola?
      Ainda vejo a Revolução Francesa como um dos melhores exemplos de iniciativa popular eficaz.

      Excluir

caixa do afeto e da hostilidade