Páginas

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Sobre Coisa Alguma


Espanto a mosca que pousa em meu braço, com um tapa e penso: - “ela é real”
o sol que me bate e me queima e bloqueia minha visão, é real
meu apartamento e o chão que piso, tudo é muito real
 
A mosca tenta alcançar a luz do sol e bate no vidro
uma vez, duas vezes, três e quatro, cada vez mais rápido, e cai
por que estaria o nada em meu caminho? – diz seu zumbido final
para ela, o vidro não era real

O que significa tudo isso?

Se somos montes de átomos interpretados
real não existe
é tudo imagem cerebral e individual
tudo é o nada e nada é todas as coisas
eu sou todas as coisas e nada
meu vizinho sou eu e nada
meu apartamento sou eu e nada
somos tudo o mesmo e nada
esse real doido e inventado que a todos engana
dando impressão de sentido
é tudo e nada

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade