Páginas

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Vazio


Caminhando
olho para o céu
azul e sem nuvens
tento me situar no espaço e
me vejo como um grão de poeira
preso a outro grão de poeira ainda maior
pela gravidade em meio ao infinito

Estranho como o que mais angustia o homem
não é a dor, a fome ou o sofrimento
mas a sua mente
que faz do vazio, seu tudo

Uma pomba insiste em cruzar meu caminho
resolveria tudo se batesse as asas, mas não tinha vontade
eu era nada para ela, quem sabe nem me via
formamos do mesmo vazio, um tudo infinitamente diferente
ela vê migalhas e restos de comida e banheiros infinitos
eu vejo um homem vestido de bermuda, regata e chinelos
fumando charuto no ponto de ônibus
enquanto uma moça, vestida como Tom Waits
passa na rua de monociclo
sendo seguida por alguns homens vestidos iguais a ela

Uma outra moça
cruza duas vezes meu caminho
de biquíni e bicicleta

Tudo isso é a mente
fazendo do vazio qualquer coisa real
como o sol forte que nos queimava a pele

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade