Páginas

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

ZZ Top - La Futura


Sabe como a década de 80 parece ter sido a década da decadência das grandes bandas de rock de 70? Então, tenho a impressão de que os anos 2000 são os de redenção para essas bandas. Primeiro com Rush lançando um álbum em 2007 e outro agora - ambos medíocres, mas melhores do que os que seguiram o Moving Pictures -; Dr. John, que já foi resenhado por aqui; Bob Dylan, com o excelente Tempest, que será logo resenhado; enfim, esse ano está sendo ótimo para essas bandas antigas.
 
Voltando um pouco no tempo. Na década de 70, surgiu no Texas um trio. Dois dos membros desse trio, carregavam barbas assustadoramente grandes e tinham pose de mau. Tocavam o bom e velho rock, misturando com blues e temas como cigarros, putas mexicanas, álcool, tudo que é bom vessa vida tão curta. Tudo estava bem, até a década de 80 chegar, com suas discotecas, sintetizadores, baterias eletrônicas, vídeo clipes incoerentes e dancinhas patéticas (estou olhando pra você A-ha). Vendo a mudança no mercado, as bandas de 70 ou se aposentaram ou decidiram se unir ao inimigo. Foi exatamente isso que fez ZZ Top. Lançou o Eliminator que, embora divertido, era cheio dessas características repulsivas da década maldita. Enquanto o Eliminator era tolerável, por causa de umas quatro músicas, tudo que o seguiu é insuportável, beirando o vergonhoso. Foram anos lucrativos, mas tristes para a música.
 
La Futura é um belo e muito aguardado pedido de desculpas. As faixas têm um toque moderno, mas no mesmo estilo que o álbum do Dr. John, ou seja, até que agradável. Os sintetizadores só estão presentes em uma ou duas faixas mais lentas, no entanto com um timbre orquestrado bem agradável, trazendo uma atmosfera interessante para a música - sem falar que os sintetizadores evoluíram muito, então o orquestrado não é tão feio quanto em Rough Boy.
 
A maior parte das músicas tem uma levada mais rápida, bem rock das antigas, com um toque sujo e pesado de blues. Mais ou menos igual ao dos primeiros discos da banda. No entanto, tem algo diferente, não sei bem explicar o que é. É como se a banda não fosse a mesma, não carregasse a mesma paixão pela música e só estivesse tentando vender mais do mesmo que um dia os tornou grandes. Não é ruim, nem acho que a banda tenha que se aposentar agora, mas não é a mesma coisa... Acho que só ouvindo para entender.
 
La Futura é um bom álbum, tem seus defeitos, mas é muito melhor que qulaquer coisa que essa banda produziu após o Eliminator. Merece ser ouvido com bastante atenção, principalmente as novas gerações que, assim como eu, não viram o ZZ Top no pico de sua carreira.
 
Nota - 4,0/5,0
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade