Páginas

sábado, 13 de outubro de 2012

Entre bicos e ferroadas



Os pássaros cantam, voando ao redor das cadeiras de plástico
as abelhas voam nas lixeiras, brigando com os pássaros, pelo território
bicadas e ferroadas, em troca de uma bala cercada de saliva humana indiferente
 A abelha, uma vida por um ideal - as militares entre os insetos. Sem propósito, sem [conhecimento, sem sabedoria, o que importa é a batalha e a morte inevitável.
O canto cessa por um instante, mas a abelha morre
entrega seu coração em um golpe final
o pássaro atropela o cadáver de seu insignificante inimigo, para alcançar seu alvo
bica a bala por um instante, mas a abandona, seguindo seu voo

a abelha geme seus zumbidos finais, orgulhosa de sua vitória
chama suas companheiras, em louvor de batalha
elas respondem em um zumbido confiante, ansiosas pelo seu próprio final

uma delas é pisoteada pelo humano passante
 outra perde uma batalha contra um cão e outra fica grudada no doce descartado e outra ainda [batalha incessantemente, com um dos inúmeros sóis impenetráveis que a ela muito incomodam 
mas a rainha está protegida e o mel da honra é infinito

Tudo está bem no mundo das asas e zumbidos inaudíveis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade