Páginas

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Meia Noite em Paris - Woody Allen

Woody Allen mudou minha adolescência. Filmes como Annie Hall, Play it Again, Sam, Sleepers, Bananas e Love and Death, mudaram a forma que eu via o cinema e a minha própria vida. Era a primeira vez que eu me identificava com um personagem. Um homem em crise existencial, hipocondriaco, paranoico, cheio de problemas de relacionamentos (o principal sendo a ausência deles) e familiares. Woody Allen, aos poucos, foi se tornando meu herói. Principalmente pelo fato de que eu o conheci pelos seus primeiros filmes.

Com o passar dos anos, seu roteiro se tornou um padrão. Procure na filmografia de Woody, um filme que não fale sobre adultério. Pois é, mas esse não é o maior dos problemas. Filmes como Scoop, Vicky, Cristina, Barcelona e outros recentes, simplesmente não tinham mais aquele humor sutil característico. Woody Allen dazia filmes de fácil identificação, e eu não me identificava mais.

Isso mudou com Whatever Works (2009) e a performance hilária de Larry David (Seinfeld e Curb Your Enthusiasm), que, provavelmente é um dos melhores comediantes vivos. Era isso, Woody Allen era um comediante, um dos primeiros stand-up, e eu sempre tive grande admiração pelo gênero (até escrevi algumas piadas por um tempo, até descobrir que não tinha como apresentá-las - as transferi para minhas crônicas), e este sempre esteve presente em seus filmes, nos seus monólogos contemplativos ou nas respostas curtas, mas fortes como um coice, que seu personagem dava a todos ao seu redor. Isso tinha voltado aos seus filmes, agora faltava um roteiro original. Como uma prece sendo atendida, Meia Noite em Paris é o roteiro original que eu tanto aguardava.

A história é sobre um homem, um roteirista cansado do mundo de mentiras que é Hollywood, e decepcionado com seu próprio trabalho, que decide ir a Paris com sua noiva e sogros. Lá ele busca inspiração para o seu romance, contudo, como não confia na opinião das pessoas que o cercam, não consegue progredir muito. Seu sonho era viver em Paris, ou seria viver Paris? Sentir a arte e a história daquele lugar, sentar no mesmo bar em que um dia, Hemingway e Fitzgerald passaram a noite se embriagando.

O relacionamento dele com a noiva é péssimo, mas como ela é linda, ele acredita que a ama. Os sogros o odeiam, pois ele é liberal, e eles, típicos conservadores do "American Way of Life". Em Paris ele encontra o típico casal, mulher burra e homem pseudo-intelectual (daqueles que interrompem guias turísticos, para corrigi-los, sabe esse tipo de gente?). Em meio a toda essa complicação, uma noite ele busca a fuga em uma caminha, até que, a meia noite, aparece um carro antigo, que o pega de carona e o deixa em uma festa na década de 20, ao som de Cole Porter (trilha sonora constante nesse filme), encontrando assim, todos os seus ídolos.

As interpretações são muito boas. É visível que, a imagem de Fitzgerald, Zelda, Hemingway e Gertrude Stein, foi baseada no livro Paris é uma Festa (Hemingway), que se tornou um retrato da vida artistíca da capital da França naquela época. Encontra também Picasso, e sua amante (por quem ele se apaixona). Em outras andanças pela época, encontra em uma mesa, os surrealistas, Man Ray, Salvador Dali (performance impecável) e Luis Buñuel, que mais tarde, recebe uma dica para o roteiro de Anjo Exterminador, do protagonista. É hilário como o próprio Buñuel se vê intrigado e perturbado pela sua própria história, embora eu tenha achado a referência um pouco estranha, considerando que o filme se passa nos anos 20, e Anjo Exterminador só foi gravado na década de 60, mas isso são detalhes.

O adultério está presente, assim como as crises existenciais e a descoberta de que, não importa a época, o contemporâneo é sempre um tédio, e o passado sempre será mais atraente. O certo é aproveitar qualquer coisa o que você pode ter, na sua própria época, pois não é o tempo que causa o tédio e sim, a existência.

- Nota 4,5/5,0

VEJA TAMBÉM:
Meu E-book: http://depositfiles.com/files/ci7bvilzu
Meu Vídeo no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=w9CyJkznXyM&feature=plcp

Comentem e divulguem essa porra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

caixa do afeto e da hostilidade